sábado, 31 de julho de 2010

"Machinhos Ricos"

Rio precisa de lei contra “machinhos ricos”


I love and respect the dolphins

The Cove PSA - My Friend Is...






Inspired by the Oscar-winning feature documentary THE COVE, stars from film, TV and music band together to help save Japan's dolphins. Please sign the petition and help us get the word out, http://www.takepart.com/thecove





Producer: Fisher Stevens, Chris Gartin, Lina Esco


Director: Andres Useche


Editor: Brian Torres, Andres Useche


Camera: Brian Torres, Derek Doneen


Original Music: Andres Useche, Trevor Wayne Howard


Re-recording Engineer: Greg Morgenstein

Ave Maria * Carmen Monarcha

Ave Maria * Carmen Monarcha







Por: HomemSonhador


Quem conhece Carmen Monarcha?

Carmen Monarca é nascida em Belém do Pará.
Começou a estudar canto com sua mãe, a Mestra pela UFRJ, Marina Monarcha, em 1996.
Por três anos ( 2002-2005 ) foi solista da Companhia Johann Strauss Orchestra, fazendo turnês por mais de 15 países na Europa, América do Norte e Ásia e gravou seis cds e seis dvds ao vivo, apresentando-se também em mais de dez concertos com transmissão de TV ao vivo para toda a Europa, assim como especiais gravados para reprodução na televisão americana PBS.

Apresentou-se para audiências de até 25.000 pessoas, em lugares memoráveis como o Walbühne em Berlim, International Fórum Hall em Tóquio, Bercy em Paris, Forest National em Bruxelas, Fox Theater em Saint Louis e Detroit, Skydom em Toronto e Bell Center em Montreal., etc....

Quase ninguém ouviu falar nela aqui no Brasil.


Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=ebT2aZUCrIY

Você é Contra ou a Favor da Lei da Palmada?




Uma Palmada Bem Dada
Cecília Meireles


É a menina manhosa

Que não gosta da rosa,

Que não quer A borboleta

Porque é amarela e preta,

Que não quer maçã nem pêra

Porque tem gosto de cera,

Porque não toma leite

Porque lhe parece azeite,

Que mingau não toma

Porque é mesmo goma,

Que não almoça nem janta

porque cansa a garganta,

Que tem medo do gato

E também do rato,

E também do cão

E também do ladrão,

Que não calça meia

Porque dentro tem areia

Que não toma banho frio

Porque sente arrepio,

Que não toma banho quente

Porque calor sente

Que a unha não corta

Porque fica sempre torta,

Que não escova os dentes

Porque ficam dormentes

Que não quer dormir cedo

Porque sente imenso medo,

Que também tarde não dorme

Porque sente um medo enorme,

Que não quer festa nem beijo,

Nem doce nem queijo.

Ó menina levada,

Quer uma palmada?

Uma palmada bem dada

Para quem não quer nada!




Não existe palmada bem dada





Ah, que coisa boa ver projetos sensatos, coerentes e inteligentes de legislação. Concordo que pais que dão uma palmada em seus filhos não devam ir presos, mas já era hora de a sociedade parar de achar normal crianças levarem palmadas, beliscões e puxões de orelha. Como esperar ter uma sociedade de adultos que repudiam a violência quando eles crescem aprendendo que palmadas são uma punição "necessária" e ouvindo seus pais e pares dizendo que "batem para educar"? A neurociência já aprendeu que violência muda o cérebro e gera mais violência (ou impotência, meio caminho andado para a depressão). E como fica o amor de um filho por seus pais agressores? Misturado com medo?



Para meus filhos, certamente não: deles quero apenas afeto e admiração, sem jamais uma mácula de medo no olhar. Medo deveria ser a última coisa que uma criança precisasse sentir dos pais. E antes que proteste o leitor que acha necessário aplicar palmadas para educar e ironize perguntando, provocador, se de fato jamais bati em meus filhos: não, jamais. Aqui em casa se conversa. Quem sabe falar não precisa bater.



Por: Suzana Herculano-Houzel



Lauro Monteiro: Contra a 'Lei da Palmada'



Pediatra





Rio - A criança é um ser em constante desenvolvimento, em constante aprendizado. Mas é criança e reagir, contestar, desobedecer fazem parte do seu comportamento normal. Preocupo-me com crianças que nunca reagem às determinações dos pais. Que nunca dizem não. Mas os pais têm como função e obrigação educar seus filhos. Sendo assim os pais têm que ensinar aos filhos os limites.



E como estabelecer os indispensáveis limites? O que fazer diante da criança que reage às determinações dos pais? Parto do princípio que devemos rejeitar qualquer forma de castigo físico. E não me refiro às graves agressões que tanto vi na minha vida de pediatra. Falo do que, para meu espanto, muitos aceitam e justificam e incentivam: o bater para educar, a chamada ‘palmada pedagógica’.



Em relação à palmada vivemos um momento de grande importância: o assunto está sendo fartamente divulgado e discutido na mídia. Pesquisas e opiniões são mostradas nos jornais, revistas e TVs. Nas rádios são frequentes os debates. E isso é muito bom. E devemos agradecer ao grande marketing que conseguiu a ‘Lei da Palmada’. Esse, e apenas esse, é o mérito dessa lei. De resto creio ser ela ineficaz e oportunista. Alguém crê que os pais deixarão de dar palmadas nos filhos por causa da ameaça da lei ? Tenho falado da politização e da criminalização da palmada.



Isso é inaceitável. A solução não virá por aí. Já está nas nossas leis: crianças têm o direito à saúde, à educação, à vida em família e devem ser protegidas contra qualquer forma de agressão ou negligência. Que os governos e a população cumpram as leis já existentes.



Se é para criar leis novas vamos criar a lei do carinho, do afeto, da presença, dos cuidados constantes, do bom exemplo e da autoridade firme que estabelece limites respeitando seus filhos.



 
 
Maria Luiza Bustamante: A favor da 'Lei da Palmada'

Professora Doutora e psicóloga





Rio - Essa lei que pune os pais que maltratam e batem nos filhos foi votada recentemente na Câmara, justamente dentro de uma série de providências que criaram e instalaram recursos para fazer valer os direitos das crianças.

Alguns segmentos da população estão protestando contra a lei. Mas ela se tornou necessária por causa de um número significativo de assassinatos de crianças que ocorrem com frequência. O infanticídio não é novidade na história da humanidade mas, com a implementação dos direitos da criança ele se tornou mais visível.



A quem essa lei vai assustar? Justamente aos pais que se sentem inseguros em relação a como educar seus filhos. Educar bem uma criança é difícil, desgasta muito. É trabalho sem fim.



Acontece que os adultos têm cada vez menos tempo para dar atenção e se ocupar com elas. Mas as crianças continuam sua trajetória em direção à vida adulta. E isso incomoda muito aos adultos, que por vezes fazem coisas que não deviam e se zangam quando são descobertos.



As causa de maus tratos e da violência estão numa sociedade que finge que não sabe das imensas necessidades das crianças e se ocupa muito pouco dela . E quando o faz é sempre de forma descontinua e superficial.



A maioria dos casos de maus tratos e de espancamento é cometida por mães estressadas e sem condições de parar e dar afeto e carinho aos filhos. Os casos de violência física e sexual são cometidos, geralmente, por pais e parentes que vivem dentro da mesma casa.



Assim, essa ‘lei-advertência’ diz que é preciso ter cuidado pois, espancar ou bater é covardia e não ajuda a educar. As leis são benéficas, precisam ser explicadas e divulgadas para o público em geral. E ainda: precisam ser regulamentadas para atingir seus objetivos, que é punir os culpados.






Fonte dos textos:

http://odia.terra.com.br/portal/conexaoleitor/

http://www.suzanaherculanohouzel.com/journal/2010/7/18/no-existe-palmada-bem-dada.html



Fonte da imagem:  http://www.plenarinho.gov.br/educacao/imagens/bater-nas-criancas-resolve/bater-na-crianca-resolve01.jpg

quinta-feira, 29 de julho de 2010

"SAÍ PRA DAR UMA VOLTA..."

"SAÍ PRA DAR UMA VOLTA..."






Prefácio Feminino

"Saí pra dar uma volta..." não é somente um livro turístico, é também uma sucessão de belos episódios geograficamente introspectivos.

Escrito para quem está planejando uma viagem, para os que já estão na estrada, e principalmente, escrito para todos aqueles que nunca sequer sonharam com a possibilidade de ir tão longe.

Uma viagem que começa, para todos nós, com um despretensioso, porém irresistível convite: embarcar dentro do autor.

Em seu roteiro, Fred Mourão nos carrega como se ele próprio fosse o veículo, e nos transporta por terras, céus e águas, por sensações, emoções e incríveis descobertas.

Através de seus olhos e de seu grande talento para a narrativa, conseguimos enxergar muito além do que nos mostram suas fotografias – imagens fantásticas capturadas em momentos únicos - que se tornam quase dispensáveis ao usarmos nossa imaginação altamente aguçada por suas descrições.

A cada página surgem inéditas oportunidades para vivermos com ele essa grande aventura.

E se, em algum momento nos questionarmos sobre a veracidade de suas estórias, basta virarmos a folha para nos depararmos novamente, com uma invasão aos sentidos – aromas típicos, sabores exóticos, texturas surpreendentes, sons marcantes – e nos emocionarmos com o calor receptivo de tantos povos de pessoas tão diferentes, e ao mesmo tempo, tão iguais a nós.

É assim que o autor nos leva e nos permite seguir dando esta volta com ele.

Entre questionamentos sociais, morais, éticos, políticos, nos percebemos dando a volta também, em nossos preconceitos, nossas antigas idéias empoeiradas e nosso conformismo.

Através de seus passos, quase sempre solitários, Fred Mourão nos conduz por um inesquecível caminho, onde a única volta possível é a volta ao mundo... de cada um de nós.


Dani Wandscheer

Para comprar o livro você pode encomendá-lo diretamente comigo, com dedicatória, pelo email fredmourao99@gmail.com . Tem 432 páginas e mais de 400 fotos. Custa R$39,90 e você o recebe via correio pagando somente após tê-lo em mãos através de depósito em conta, ou clique no link ao lado para ver mais locais de compra.



•Prefácio Masculino

Você já precisou organizar um motim entre os passageiros de um ônibus intermunicipal, ao perceber que o motorista estava dormindo ao volante?

O Fred fez isso no ano passado, na Tailândia.

Já teve a oportunidade de reencontrar, 15 anos depois, as crianças de quem você foi baby-sitter?

O Fred teve, na França, também no ano passado.

Já se sentiu uma celebridade somente por ser brasileiro? Já foi barrado em um país tido como hospitaleiro somente por ser brasileiro?

Isso aconteceu com o Fred, famoso em seis países da Ásia por sua nacionalidade – e mandado de volta da Austrália, pelo mesmo motivo.

Não é por nada, não... Mas vamos continuar as perguntas: conseguiu se planejar tão bem que passou dois anos sem pegar um inverno sequer?

Você já tomou banho de cachoeira com monges budistas?

Viu meninas carregando metralhadoras M-16 e mochilas da Hello Kitty?

Montou um orçamento tão bem estruturado que passou a viagem longa como essa sem nenhum aperto financeiro?

Sofreu hipotermia ao pegar uma caroninha noturna na boléia de um caminhão, em uma estrada remota no alto da cordilheira dos Andes?

Acompanhou a Copa do Mundo de 2006 no Tibete, soltando palavrões em português e se sentindo em pleno Brasil?

Quis voltar para a casa da mamãe depois de muito ziguezaguear de buzum por penhascos do Nepal? Viu cachorros serem mortos na rua e depois limpos para virar ensopado no dia seguinte?

Ficou com lágrimas nos olhos observando orangotangos na floresta?

Sofreu solidariamente a tragédia do tsunami ao conhecer uma pessoa que perdeu toda a família em uma onda?

Teve seu guia de viagem apreendido na China, só porque ele mostrava a ilha de Taiwan com uma cor diferente no mapa?

Já ouviu lambada num canto da Índia?

Ficou meses sem encontrar um brasileiro sequer, e de repente, tropeçou num garçom cearense em Shangai?

Pois o tal do Fred fez tudo isso.

Fred Mourão deu a volta ao mundo. Deu porque quis, porque pôde, porque deu na cachola dele seguir seu coração.

Aos 39 anos, na dúvida entre continuar no mundo corporativo ou abrir seu próprio negócio, resolveu não fazer nem uma coisa nem outra. Preferiu dar um tempo de tudo e se lançar ao grande desafio e sonho da adolescência. Agora, depois de quase dois anos viajando por vinte e cinco países, entre momentos emocionantes e difíceis, situações inusitadas e até mesmo bizarras, Fred está de volta ao Brasil contando sobre suas explorações e aventuras, como o fez em várias entrevistas, incluindo no Programa do Jô.

E tudo isso faz parte deste livro, escrito durante a viagem, no qual Fred Mourão relata suas experiências mostrando e dando toques de como é simples, seguro, interessante e barato viajar por aí, e também o que aprendeu com tudo isso: "Mesmo com as diferenças culturais, físicas, políticas e religiosas, somos todos iguais e queremos as mesmas coisas na vida." . E que também acabou gerando uma palestra e um workshop interessantes e extremamente atrativos baseado em suas experiências de planejamento, flexibilidade, adaptabilidade, orçamento, levantamento de dados na viagem e na sua vida corporativa.


Pedro Só


quarta-feira, 28 de julho de 2010

Guia Para o Uso Responsável da Internet

ONG lança cartilha com dicas de uso seguro da internet para pais e filhos






Site e livro impresso ajudam a identificar situações de cyberbullying.
Recomendação é de não responder a ameaças ou provocações.





O Comitê para a Democratização da Informática lançou nesta quarta-feira (28) uma nova cartilha com dicas para uma navegação segura na internet. Batizado de Guia Para o Uso Responsável da Internet 3.0, o livro pode ajudar crianças e adolescentes inclusive a não se tornarem criminosos sem saber.

Veja o site do Jornal Nacional

A campanha prevê um guia impresso para crianças, que traz encartado um CD com os textos dirigidos a pais e professores. A publicação contém dicas, orientações, sugestões de links, vídeos, reportagens, histórias em quadrinhos e jogos que ajudam a fixar o aprendizado. O manual também está online, no site http://www.internetresponsavel.com.br/, com áreas exclusivas para crianças, pais e professores.

Uma pesquisa divulgada por uma ONG que promove direitos humanos mostrou que 33% dos quase 2,2 mil estudantes entrevistados têm um amigo que já sofreu algum tipo de humilhação na internet.

Boa parte dos problemas ocorre porque muita gente não tem ideia do alcance da internet e não sabe se comportar no mundo virtual. Os especialistas lembram que a rede é como uma grande praça pública, com uma diferença: as informações e imagens divulgadas eletronicamente podem ser vidas por milhões de pessoas, copiadas e manipuladas - o que exige um cuidado extra.


"É como se a criança estivesse navegando em um novo espaço público, sem limite nenhum. Tem coisas boas, mas há coisas maliciosas, e conteúdos de violência que, se a criança navegar sem conhecimento dos pais, ela vai ser impactada", afirma o psicólogo Rodrigo Nejm, da SaferNet Brasil.


Na cartilha, as dicas são simples e levam em conta regras básicas da internet. A principal é: não informe dados pessoais, como endereço ou telefone. Pense antes de publicar qualquer conteúdo na rede. Saiba como identificar uma situação de cyberbullying, que é o uso da internet para humilhar ou ofender uma pessoa.

Outra recomendação é não responder a ameaças e provocações. Se souber de alguém que esteja sendo intimidado, avise um adulto em quem confie.



Fonte: http://g1.globo.com/jornal-nacional/

9º Simpósio Internacional de Contadores de Histórias

Leitura e diversão no 9º Simpósio Internacional de Contadores de Histórias



Encontro acontece no SESC Copacabana no final de julho.





Entre os dias 29 de julho e 1º de agosto, muitas histórias vão rolar no 9º Simpósio Internacional de Contadores de Histórias, com o tema “Histórias sem fronteiras, Historias em rede”. Esse divertido encontro acontece no Sesc Copacabana, na Zona Sul da cidade, e conta com oficinas, mesas redondas e, como não poderiam faltar, diversas apresentações de contadores de histórias. Toda a programação é gratuita e é uma oportunidade para curtir contos não só em português, mas também em diferentes línguas, pois o evento recebe doze convidados de diversos países, além de 30 brasileiros.



O destaque é a Maratona de Contos, com 24 horas ininterruptas de atividades. A sessão tem início às 18h de sábado (dia 31) e termina às 18h de domingo (dia 1º). Nesse ano, a abertura será feita por Daniel Azulay e o mestre de cerimônia será o Centro Teatral e Etc e Tal, que irá apresentar cada atração com textos improvisados e figurinos inusitados – roupões de banho durante o dia e pijamas à noite.



O grande homenageado dessa edição do Mercado da Palavra é o poeta Noel Rosa, que ganha um espaço especial na parte externa do SESC. Se o clima do ambiente for inspirador, é possível compartilhar uma história com que estiver por lá - o Mercado conta com um palco aberto para quem quiser demonstrar esse lado criativo. Outro momento imperdível é a homenagem a José Saramago, com a presença de médicos, empresários, atores e diferentes profissionais em um bate-papo animado sobre leitura.



O projeto inclui o Brasil no circuito mundial de contadores de histórias e, nesse ano, há também a parceria com a Red International de Cuentacuentos (RIC), que tem sede na Espanha. Além disso, há também o apoio institucional da Organização dos Estados Ibero Americanos (OEI).


A programação completa está no site: http://www.simposiodecontadores.com.br/

Serviço:

Evento "Simpósio Internacional de Contadores de Histórias"

Período: 29 de julho a 1º de agosto. Entrada franca.

Informações: (21) 3904-2210 e (21) 9828-0767

Local: Espaço SESC - teatro de arena e pátio externo

Rua Domingos Ferreira, 160 - Copacabana

Classificação etária: livre

Classificação etária na Maratona - horário de 22h às 8h: 18 anos

Artur da Távola - Poesias



Que a vida nos ensine, a todos, a nunca dizer as verdades na hora da raiva.
Que desta aproveitemos apenas a forma direta e lúcida pela qual as verdades se nos revelam por seu intermédio, mas para dizê-las depois.
Que a vida ensine que tão ou mais difícil do que ter razão, é saber tê-la.
Que aquele garoto que não come, coma.
Que aquele que mata, não mate.
Que aquela timidez do pobre passe.
Que a moça esforçada se forme.
Que o jovem jovie.
Que o velho velhe.
 Que a moça moce.
Que a luz luza.
Que a paz paze.
Que o som soe.
Que a mãe manhe.
Que o pai paie.
Que o sol sole.
Que o filho filhe.
Que a árvore arvore.
Que o ninho aninhe.
Que o mar mare.
Que a cor core.
Que o abraço abrace.
Que o perdão perdoe.
Que tudo vire verbo e verbe. Verde. Como a esperança. Pois, do jeito que o mundo vai, dá vontade de apagar e começar tudo de novo.

A vida é substantiva, nós é que somos adjetivos.


Artur da Távola






Coisas que a vida ensina depois dos 40




Amor não se implora, não se pede não se espera...

Amor se vive ou não.

Ciúmes é um sentimento inútil. Não torna ninguém fiel a você.

Animais são anjos disfarçados, mandados à terra por Deus para

mostrar ao homem o que é fidelidade.

Crianças aprendem com aquilo que você faz, não com o que você diz.

As pessoas que falam dos outros pra você, vão falar de você para os outros.

Perdoar e esquecer nos torna mais jovens.

Água é um santo remédio.

Deus inventou o choro para o homem não explodir.

Ausência de regras é uma regra que depende do bom senso.

Não existe comida ruim, existe comida mal temperada.

A criatividade caminha junto com a falta de grana.

Ser autêntico é a melhor e única forma de agradar.

Amigos de verdade nunca te abandonam.

O carinho é a melhor arma contra o ódio.

As diferenças tornam a vida mais bonita e colorida.

Há poesia em toda a criação divina.

Deus é o maior poeta de todos os tempos.

A música é a sobremesa da vida.

Acreditar, não faz de ninguém um tolo. Tolo é quem mente.

Filhos são presentes raros.

De tudo, o que fica é o seu nome e as lembranças a cerca de suas ações.

Obrigada, desculpa, por favor, são palavras mágicas, chaves que

abrem portas para uma vida melhor

O amor... Ah, o amor...

O amor quebra barreiras, une facções,

destrói preconceitos,

cura doenças...

Não há vida decente sem amor!

E é certo, quem ama, é muito amado.

E vive a vida mais alegremente...
 
 
Artur da Távola
 
 




 
TER OU NÃO TER NAMORADO



Quem não tem namorado é alguém que tirou férias não remuneradas de si mesmo.

Namorado é a mais difícil das conquistas.

Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabiru, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão, é fácil.

Mas namorado, mesmo, é muito difícil. Namorado não precisa ser o mais bonito, mas ser aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio e quase desmaia pedindo proteção. A proteção não precisa ser parruda, decidida; ou bandoleira basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição.

Quem não tem namorado é quem não tem amor é quem não sabe o gosto de namorar. Há quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento e dois amantes; mesmo assim pode não ter nenhum namorado.

Não tem namorado quem não sabe o gosto de chuva, cinema sessão das duas, medo do pai, sanduíche de padaria ou drible no trabalho.

Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar sorvete ou lagartixa e quem ama sem alegria.

Não tem namorado quem faz pacto de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de durar.

Não tem namorado quem não sabe o valor de mãos dadas; de carinho escondido na hora em que passa o filme; de flor catada no muro e entregue de repente; de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque lida bem devagar; de gargalhada quando fala junto ou descobre meia rasgada; de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo alado, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado, de fazer cesta abraçado, fazer compra junto.

Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor, nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele, abobalhados de alegria pela lucidez do amor.

Não tem namorado quem não redescobre a criança própria e a do amado e sai com ela para parques, fliperamas, beira - d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical da Metro.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos; quem gosta sem curtir; quem curte sem aprofundar.

Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada, ou meio-dia do dia de sol em plena praia cheia de rivais.

Não tem namorado quem ama sem se dedicar; quem namora sem brincar; quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.

Não tem namorado quem confunde solidão com ficar sozinho e em paz.

Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando duzentos quilos de grilos e medos, ponha a saia mais leve, aquela de chita e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim.

Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteria.

Se você não tem namorado é porque ainda não enlouqueceu aquele pouquinho necessário a fazer a vida parar e de repente parecer que faz sentido. ENLOU-CRESÇA.



Artur da Távola





Criança Esperança 2010 !!!

Planeta Voluntários apóia Criança Esperança 2010






Campanha completa 25 anos de existência



Este ano o Criança Esperança está completando 25 anos. O lançamento da campanha 2010 foi sábado, dia 24 de julho, no programa Caldeirão do Huck, da TV Globo. As doações começam agora, mas o grande show de arrecadação vai ser realizado no dia 14 de agosto, na Arena Rio, Rio de Janeiro, após a novela Passione. E, como sempre, estará repleto de ótimas atrações.

As doações pelo telefone vão do dia 24 de julho até o dia 22 de agosto. Todas as ligações custam o valor da doação, mais impostos.Além disso, pode-se doar o ano inteiro em todas as casas lotéricas do Brasil e, também, pela internet.

Nestes 25 anos,  inúmeras pessoas ajudaram a mudar a vida de brasileiros em todas as partes do país. O Criança Esperança quer saber qual a sua história com a campanha. É só entrar no Repositório de Sonhos, escrever a sua relação com o Criança esperança e enviar.

O Criança Esperança é uma campanha da Rede Globo em parceria com a UNESCO. Ela foi lançada em 1986, em um programa especial de 20 anos dos Trapalhões e a partir daí começou a discutir sobre a situação das crianças e adolescentes brasileiros. Até hoje, 5 mil projetos sociais já foram apoiados e mais de 200 milhões de reais em doação já foram investidos, ajudando a reduzir a mortalidade infantil, combater a exploração sexual e ajudando a preparar jovens de baixa renda para o mercado de trabalho.

Para doar para o Criança Esperança 2009 ligue para uns dos números abaixo:

Para doar R$7,00 – 0500 2009 007
Para doar R$15,00 – 0500 2009 015
Para doar R$30,00 – 0500 2009 030

Para doações acima desse valor, acesse o site do Criança Esperança:http://criancaesperanca.globo.com

Apoio: Planeta Voluntários

Uma rede social por um mundo melhor.

 "O que fazemos por nós mesmos morre conosco,o que fazemos pelos
outros permanece e é eterno."

Dia dos Avós - 26 de Julho

Avós, diversão ou formação?





Um dos grandes valores na formação dos filhos é o respeito pelas gerações anteriores à sua.

Os filhos devem conhecer desde pequenos a importância de escutar os avós, não só por serem pessoas mais idosas, como também pelo grande valor da experiência que uma pessoa com tantos anos vividos possa ter.

Nesta época, em que impressiona a habilidade que até mesmo as crianças têm para conhecer todo tipo de aparelho eletrônico, parece que os pais e avós estamos anos luz atrasados no que são os interesses infantis. No entanto, o que realmente os fará serem donos de si mesmos e se desenvolverem melhor como pessoas, será aprender a se relacionar melhor com a vida diária; para isso, não existe aparelho que proporcione esta habilidade.

Somente a orientação de pessoas que já passaram pela mesma idade, que já percorreram o caminho que a criança apenas está iniciando, vai trazer a sabedoria necessária para que ela se torne uma pessoa íntegra e feliz.

Existem muitas maneiras de ajudar nossos filhos a aproveitar a convivência com os avós. Por exemplo, uma atividade familiar que pode ser muito divertida e instrutiva para toda a família é conhecer a história completa dos pais. Existem livros especiais, vendidos em qualquer livraria, que trazem perguntas e espaços suficientes para que os avós respondam, descrevendo suas experiências e histórias.

Com certeza, não é preciso adquirir nenhum livro. Qualquer caderno cumpre as mesmas funções e, uma vez terminado, podem ser organizadas reuniões para conhecer a história dos avós, criando lembranças que durarão toda uma vida. Além disso, esta atividade terá um valor agregado: a família conhecerá suas origens, sendo esta uma fonte de conhecimento para entender quem somos e porque reagimos de determinada maneira.

Os avós podem educar de muitas maneiras!

Ser avô é uma fase da vida que deve estar cheia de satisfações e diversão, especialmente quando não são os principais responsáveis pela educação das crianças.

Hoje em dia, existem cada vez mais casamentos nos quais ambos trabalham. Desta maneira, os avós voltam a ser os principais formadores de crianças, uma vez mais. Esta é uma tarefa importantíssima, no entanto, muito pesada, já que os avós não contam com a mesma energia dos tempos passados e, muitas vezes, a mesma autoridade.

Então, de acordo com o papel desempenhado na vida de seus netos, suas atividades e responsabilidades serão distintas. Se vêem os netos periodicamente, exclusivamente como visitas, o papel é claro: somos avós e, como tais, podemos dar caramelos e deixá-los dormir mais tempo do que o necessário. Mimá-los, em toda a extensão da palavra.

Porém se, diariamente, sua função é de criá-los enquanto seus filhos estão trabalhando, então os privilégios mudam. Os avós se tornam “pais secundários”, por este motivo a formação dos netos adquire um lugar prioritário em suas vidas e a disciplina e autoridade devem ser aplicadas, sendo mais esporádicos os “momentos divertidos”.

As complicações que esta responsabilidade traz consigo são muitas: o dilema de querer mimar o neto versus a necessidade de educá-lo adequadamente, o possível desacordo que possa existir entre a linha aplicada pelos pais do neto na educação do mesmo, o reconhecimento de que nossos projetos pessoais passam para um segundo plano.

Devemos lembrar que primeiro estão as crianças e não nosso gosto por fazer o que queremos. Conhecendo o papel que jogamos na vida de nossos netos, saberemos a função que temos que desempenhar. Se assumirmos a responsabilidade de ser formadores, o preço a pagar é o de ser avó de tempo integral.

Desta maneira, funcionar como avós ou como formadores deve ser uma decisão que somente nossos pais devem tomar. Nós, como seus filhos, devemos respeitar e aceitar seus limites e disposições com agradecimento, já que temos de reconhecer que eles já cumpriram com sua função de pais e, se aceitarem cuidar das crianças enquanto estamos trabalhando, estarão fazendo muito mais do que cumprir suas responsabilidades ou obrigações, pela simples generosidade de seu coração.



Por: Mónica Bulnes de Lara
Fonte: ALMAS - Asociación de Laicos por la Madurez Afectiva y Sexual - www.almas.com.mx

Publicado no Portal da Família.






sábado, 24 de julho de 2010

Amigo Virtual

Amigo Virtual, seja bem vindo! 







Caro leitor,

A minha amiga virtual  LEDA GREEK ♩ ♪ ♫ (Orkut) me enviou esse belo vídeo no dia do amigo e eu gostei muito e o compartilho com você.

Um abraço.

Rosemary Q.




"Cada novo amigo que ganhamos no decorrer da vida

aperfeiçoa-nos e enriquece-nos, não tanto pelo que nos dá,

mas pelo que nos revela de nós mesmos."

Miguel Unamuno

3º Encontro de Carros Antigos

3º Encontro de Carros Antigos – Clube Rio Cricket








Prezados amigos e confrades:



No próximo dia 25 de julho (domingo), a partir das 9:00hs, realizaremos o 3º Encontro de Carros Antigos, nas magníficas dependências do CLUBE RIO CRICKET, situado na Rua Fagundes Varela nº 637, Icaraí, Niterói-RJ (Rua Marques de Paraná, esquina de Miguel de Frias, no acesso para a Praia de Icaraí).



O local é privilegiado, pois conta com uma ampla e confortável estrutura, possuindo lanchonete-bar, ótima área de lazer, magnífica paisagem, destacando-se a generosa sombra proporcionada pelo farto arvoredo, além de um invejável espaço onde poderemos estacionar nossas “preciosidades” com absoluta segurança e tranquilidade.



Contamos com a sua imprescindível presença, de preferência com o seu auto antigo o que, estamos certos, muito abrilhantará o nosso encontro.



Saudações,



 
 
 
Caro leitor,
 
 
Você também gostará disso. 
Espero que sim!! 
 
Museu BMW – Seção Museu Internacionais
 
 

ESPERANÇA - DANIEL COOK *****

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Três R’s: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.


Três R’s: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.




Nunca é demais divulgar e repetir vezes sem conta o quão essencial são os três R’s:




Reduzir: diminuir a quantidade de lixo residual que produzimos é essencial. Os consumidores devem adoptar hábitos de adquirir produtos que sejam reutilizáveis, como exemplo: guardanapos de pano, sacos de pano para fazer suas compras diárias, embalagens reutilizáveis para armazenar alimentos ao invés dos descartáveis.

Reutilizar: utilizar várias vezes a mesma embalagem, com um pouco de imaginação e criatividade podemos aproveitar sobras de materiais para outras funcionalidades, exemplo: garrafas de plástico/vidro para armazenamento de líquidos e recipientes diversos para organizar os materiais de escritório.

Reciclar: transformar o resíduo antes inútil em matérias-primas ou novos produtos, é um benefício tanto para o aspecto ambiental como energético.

Os bons hábitos começam em casa, é preciso apenas um na família ou comunidade para fazer a diferença , por mais que as pessoas não demonstrem interesse pelo que estás a fazer, estão a reparar e a aprender contigo, mais cedo ou mais tarde serão eles a passarem os teus hábitos, faça a diferença. Um exemplo que posso citar, foi o meu dia a dia com familiares e amigos, sei que “contagiei” alguns deles com meus hábitos de reciclagem. Comece por separar o lixo reciclável como: plástico, papel, vidro e metal, vais ver que depois estarás a fazer por hábito, custa alguns segundos da sua vida e dá muitos anos ao nosso meio ambiente.


As cores para a coleta selectiva de lixo ainda não são um padrão mundial(tanto quanto sei), mas são adoptadas por muitos países:

· Amarelo: metais e plásticos

· Azul: papel e cartão

· Verde: vidros


Curiosidades:

Contentor Amarelo (embalagens de plásticos ou Metais)

- Plástico reciclado economiza-se cerca de 70% de energia (desde a exploração da matéria-prima primária até o desenvolvimento do produto final);

- Alumínio, em uma tonelada gasta-se apenas 5% da energia necessária para produzir a mesma quantidade do que por via do processo primário;

- Alumínio, a energia economizada na reciclagem de uma única lata de alumínio é suficiente para manter a televisão ligada durante 3 horas;

- Alumínio, para cada 50 quilos de alumínio reciclado, evita-se que sejam extraídos do solo cerca de 5 toneladas de minério;

- Aço produzido a partir da sucata, a economia de energia chega a 70% do que se gasta com a produção do minério de origem.


Contentor Azul (papel ou cartão)

- Papel e Cartão, para cada tonelada de papel reciclado evita-se o abate cerca de 20 árvores, economiza-se 70% de energia eléctrica e polui o ar em 74% menos do que se fosse produzido a partir do corte de árvores;

- Cada 50 quilos de papel usado transformado em papel novo, evita que uma árvore seja cortada.


Contentor Verde (vidros)

- Por cada tonelada de vidro reciclado poupa-se 1,2 toneladas de matérias-primas originais;

- Na reciclagem do vidro é possível poupar 50% menos de água;

- A energia poupada pela reciclagem de um frasco/garrafa de vidro(tamanho médio) pode manter acesa uma lâmpada de 100 watts cerca de 4 horas.


Fonte: http://www.inxinet.com/2008/06/29/tres-rs-reduzir-reutilizar-e-reciclar/







LinkWithin

Related Posts with Thumbnails