segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Cavalos Selvagens



TEXTO – "CAVALOS SELVAGENS"
Lygia Fagundes Telles

Resultado de imagem para cavalos selvagens fotos





"O homem de grandes negócios fecha a pasta de zíper e toma o avião da tarde. O homem de negócios
miúdos enche o bolso de miudezas e toma o ônibus da madrugada. A mulher elegante faz Cooper e sauna na quinta-feira. A mulher não elegante faz feira no sábado. A freira faz orações diariamente em horas certas. A prostituta faz o trottoir todos os dias em certas horas. O patriarca joga bridge e faz amor segundo ocalendário. O operário joga bilhar e faz amor nos feriados.
Homens, mulheres e crianças – todos com seus dias previstos e organizados: amanhã tem missa de sétimo dia, depois de amanhã tem casamento. Batizado na terça e na quarta, macarronada, que a feijoada fica para sábado, comemoração prévia do futebol de domingo, vitória certa, ora se!... As obedientes engrenagens da máquina funcionando com suas rodinhas ensinadas, umas de ouro, outras de aço, estas mais simples, mais complexas aquelas lá adiante, azeitadas para o movimento que é uma fatalidade, taque-taque, taque-taque... Apáticos e não apáticos, convulsos e apaziguados, atentos e delirantes em pleno funcionamento num ritmo implacável.
Às vezes, por motivos obscuros ou claros, uma rodinha da engrenagem salta fora e fica desvairada
além do tempo, do espaço – onde? A máquina prossegue no seu funcionamento que é uma condenação, apenas aquela rodinha já não faz parte dessa ordem.
“É um desajustado” – diz o médico, o amigo íntimo, o primo, a mulher, a amante, o chefe. Há que readaptá-lo depressa à engrenagem familiar e social, apertaresses parafusos docemente frouxos. Se o desajustado é um adolescente, mais fácil reconduzi-lo com a ajuda de psicólogos, analistas, padres, orientadores, educadores – mas por que ele ainda não está nos eixos? Porque tem de haver certas peças resistindo assim inconformadas?
Não interessa curá-lo, mas neutralizá-lo, taque-taque, taque-taque.
Pronto, passou a crise? Todos concordam, ele está ótimo ou quase. Mas às vezes o olhar tem aquela
expressão que ninguém alcança e volta o fervor antigo, cólera e gozo nos descompromissamentos e rupturas – aguda a lembrança do cheiro do mato que recusa o asfalto, o elevador, a disciplina, ah! Vontade de fugir sem olhar para trás, desatino e alegria de um cavalo selvagem, os fogosos cavalos de crina e narinas frementes, escapando do laço do caçador. Na história de Arthur Miller, eram os pobres cavalos selvagens destinados a uma fábrica que os transformaria num precioso produto enlatado. O instinto, só o instinto os advertia das armadilhas nas madrugadas. E fugiam galopando por montes, rios, vales – até quando? 
Inexperiência ou cansaço?  
Cavalos e homens acabam por voltar à engrenagem. Muitos esquecem mas alguns ainda se lembram e o olhar toma aquela expressão que ninguém entende, ânsia de liberdade. De paixão. Em fragmentos de tempo voltam a ser inabordáveis mas a máquina vigilante descobre os rebeldes e aciona o alarme, mais poderoso o apelo, taque-taque TAQUE-TAQUE!
Inútil. Ei-los de novo desembestados: “Laçá-los é o mesmo que laçar um sonho”. "

Fonte: http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/20287/resenha-critica-do-filme-como-estrelas-na-terra-toda-crianca-e-especial
Foto: https://puzzlebrasil.lojavirtualfc.com.br/listaprodutos.asp?idloja=9458&idproduto=1827743&q=Cavalos+Selvagens+-+Quebra-cabeca+1000+pe%E7as

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não serão aprovados os comentários:

* ofensivos/com palavrões;
* não relacionados ao tema do post;
* com SPAM;

* Para outros assuntos:
Entre em Contato - rosemaryqsilva@gmail.com.br
* Todos os comentários serão respondidos AQUI.
* Comente, opine, discorde, concorde etc. Por favor, sugira por e-mail.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails