domingo, 18 de novembro de 2012

O TROVADOR PORTUGUÊS MAIS SIMPÁTICO DO BRASIL





O TROVADOR PORTUGUÊS MAIS SIMPÁTICO DO BRASIL.



José Pais de Moura




                                              MINHA VIDRAÇA

   I                                                                                      IX
Vejo meu mundo rodar                                               O rio, desliza no leito
Tanta coisa que se passa...                                           E o nevoeiro embaça,
Vejo a terra aflorar                                                      De leve, com muito jeito
Através da minha vidraça.                                          Estou limpando a vidraça.
   II                                                                                     X          
Vejo a chuva, sinto o vento                                         Vejo o crepúsculo, já noite
A tempestade ameaça.                                                 Minha vizinha, a desgraça:                                                Se cansada logo sento                                                  O marido a dar aceites
Encostadinha à vidraça.                                              Não distante desta vidraça.
  III                                                                                    XI
Vejo o voo duma andorinha                                       Vejo o ébrio, e ao passar
A borboleta esvoaça,                                                   Faz muita, muita arruaça,
Também voa a joaninha                                              E logo tentei acalmar
Pertinho da minha vidraça.                                        Saindo da minha vidraça.
  IV                                                                                   XII
Vejo a criança descalça                                               Um casal de namorados
Já outra, fazendo pirraça,                                           Que se beija e se amassa,
E certa amiga que é falsa                                            Tantos outros apaixonados
Olhando pra minha vidraça.                                       Os vejo, sim, da vidraça.
  V                                                                                    XIII
Vejo além o casario                                                     Vejo estrelas, vejo a lua
A chaminé que fumaça,                                               Meu gato, que também caça,
Vejo o sol tão luzidio                                                    Vejo a calçada da rua
A esquentar a vidraça.                                                 Por debaixo da vidraça.
 VI                                                                                    XIV
Vejo a água jorrando na fonte                                   Lembro, do tempo que passou
Um carro que ultrapassa,                                           Passado que já não passa,
Frontal, o lindo horizonte                                           Das histórias do meu avô
Que belo, da minha vidraça!                                      Inda não tinha a vidraça!
  VII                                                                                  XV
Vim da rua, da labuta                                                Vejo chegar os meus netos
Vi muita gente na praça.                                            Meu filho, tanto me abraça,
Eu sei bem, que não me escuta                                  Os netinhos nunca estão quietos
Mas falo pra minha vidraça!                                     Quebraram minha vidraça.   
  VIII                                                                                XVI
Tive um amor que Deus me deu                                Fiquei triste, mas lembrei :
Nesta rua também passa,                                           Tudo em criança é graça.
Com o lenço digo-lhe adeus                                       Dias após, eu comprei
De dentro da minha vidraça.                                     “meu mundo”... outra vidraça!
  

Niterói/2012                                                                          José Pais de Moura Simões




           


                               A M O R

Amor é paixão que arde, e não tem chama,
É fruto que deseja um ser, pra ser feliz.
É amor abrangente, verdadeiro, quando ama,
É erguer as mãos pros céus, acatar o que Ele diz. 


Amor é ter bondade. Não mais guerras, tantas lutas!
Lançar a caridade como Deus assim deseja.
Amor, não é ódio, não inveja, não disputas...
È, perseverança, repartir com quem almeja.


É acolher, acalentar, é ser humano,
É não querer a desavença, não morrer como tirano,     
Não ferir seu inimigo. É, expandir sua bonança.

É o carinho à sua Pátria, é ter no peito fervor,
Dia a dia ter no lar pão e vinho, seu suor,
É, amor materno... É beijar uma criança!


Niterói/Brasil
Maio/2012                                                                 José Pais de Moura






2 comentários:

  1. ██▀█▀█████████████▀█▀█████
    ██─▀─█─▄─█─▄─█─▄─█─▀─█████
    ██─█─█─▄─█─▄▄█─▄▄██─██████
    ███▀█▀████▄███▄████▄██████
    ██─────███████████████████
    ██▄───▄███████▀▀▀█─▀─█████
    ████▄███▀█─▄▀█─▀─██─██████
    █─▄█─▄▀█─█─▀▄█▄█▄█████████
    █─▄█─▄▀█▄█████████████████
    █▄████████████████████████
    ▀▀█▀▀▀█▀▀████▀█▀█▀▀▀█▀█▀██
    ─▀█─█─█─▀▄███▄─▄█─█─█─█─██
    ▄██▄▄▄█▄█▄████▄██▄▄▄█▄▄▄██
    From fashion idea

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Always Unlucky,thank you and for you too.
      Forgive me for not having answered.

      Excluir

Não serão aprovados os comentários:

* ofensivos/com palavrões;
* não relacionados ao tema do post;
* com SPAM;

* Para outros assuntos:
Entre em Contato - rosemaryqsilva@gmail.com.br
* Todos os comentários serão respondidos AQUI.
* Comente, opine, discorde, concorde etc. Por favor, sugira por e-mail.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails